top of page
  • Foto do escritorAmanda Campos

O QUE É O LUXO SEM AS MARCAS ?

Uma Resposta Possível


Em uma sexta-feira de março, Abigail Glaum-Lathbury estava percorrendo a loja Gucci na Quinta Avenida, procurando itens de uma colaboração com a Balenciaga chamada Projeto Hacker. A coleção foi conceitual, uma forma de explorar as ideias de originalidade e autenticidade na indústria da moda. Havia bolsas cujos Gs entrelaçados haviam sido substituídos por Bs com costas e jaquetas em que “Gucci” havia sido impresso na fonte da casa de Balenciaga – códigos que, em suas inúmeras reinterpretações, permaneceram como alguns dos marcadores mais claros e cobiçados de luxo.


Glaum-Lathbury escolheu um top roxo Balenciaga estampado com as listras verdes e vermelhas da marca Gucci. Seu preço de US$ 2.700 sugeria qualidade e artesanato: tecidos finos, costuras perfeitas, detalhes bordados à mão. Mas a camisa era feita de poliéster; as listras, observou Glaum-Lathbury, foram impressas digitalmente no viés do tecido. Parecia um pouco falsificado, que era o ponto principal: os designers estavam tentando fazer os consumidores pensarem sobre valor.


Um vendedor se aproximou dela e perguntou: “Você faz roupas?” Os designers, disse ele, são as únicas pessoas que olham tão de perto as roupas da loja. “Ninguém inspeciona a costura”, disse ele.


Glaum-Lathbury, 38, é designer de roupas, embora sua própria grife pequena e de curta duração tenha fechado quase há uma década atrás. Agora ela é professora associada de design de moda na School of the Art Institute of Chicago e ocupa suas horas de folga com projetos pessoais e conceituais examinando as qualidades que tornam uma roupa desejável.

“Uma das muitas, muitas coisas que eu amo nas roupas é que elas são inerentemente sociais”, disse ela. Um projeto anterior em que ela trabalhou, um macacão utilitário disponível em mais de 200 tamanhos, foi criado para inspirar discussões sobre a qualidade do fast fashion descartável e mal ajustado; outro, que estabeleceu planos para um coletivo de “roupas íntimas apoiadas pela comunidade”, pretendia estimular conversas sobre produção ética e sustentável.


Nenhum deles chamou a atenção de grandes marcas de moda, mas ela espera que seu mais novo o faça. Chamado de Genuine Unauthorized Clothing Clone Institute, ele gira em torno do que Glaum-Lathbury chamou de “clones de roupas”: roupas cujos padrões são feitos de selfies espelhadas que ela tirou em provadores de luxo. De volta ao estúdio, ela edita todas as imagens para desfocar quaisquer marcas registradas ou padrões protegidos por direitos autorais – a assinatura Gs, por exemplo – e as corta para isolar o contorno da roupa. Em seguida, ela imprime a imagem no tecido, criando um molde para uma nova peça de roupa.


Embora as iniciais do projeto possam significar "GUCCI", Glaum-Lathbury tirou selfies usando várias marcas de grife, incluindo Marc Jacobs, Balenciaga, Louis Vuitton e Dolce & Gabbana. (Um documento legal elaborado durante o desenvolvimento de seu projeto também acena para uma casa de moda em seu título, a Política relativa à avaliação de destaques, adornos e atributos de design, ou PRADAAA.)


Os itens não estão à venda, mas os padrões são gratuitos para download no site do projeto, assim como as instruções em vídeo para a construção de cada peça. E embora Glaum-Lathbury use as peças no mundo, ela está menos interessada em sua funcionalidade do que em como elas representam “a sobreposição de processo, história e legalidade”.


By Lux Alptraum

Published May 24, 2022Updated May 31, 2022

Reproduzido do jornal New York times



0 visualização0 comentário

コメント


bottom of page